segunda-feira, 26 de julho de 2010

SHORT TRACK relato da primeira bateria

Depois de uma noite mentalizando cada curva do circuito, fazendo e refazendo ele na minha cabeça, acordei um tanto quanto ansiosa e fui testar uma nova estratégia na pista.

Claro! Você está no mundo do mountain bike, ali até a mídia tem duas rodas. O que não faltaram foram palpites e técnicos dos mais variados tipos.

Algumas voltinhas e pronto, tudo certo! Sabia exatamente a hora que tinha que mudar de marcha, frear e acelerar.
Agora era lidar com a expectativa para a largada da primeira etapa.

Como na categoria feminina não tinham tantas mulheres a etapa da manhã e a da tarde já valeriam como finais, a classificação seria somada e quem tivesse o menor número seria a vencedora e o critério de desempate seria a segunda bateria, ela tinha 5 minutos a mais que a etapa matinal.

De todas as provas que já fiz na vida, mountain bike, corrida, aventura, remo, eu nunca, note bem nunca tinha ficado tão adrenada em uma largada. Pelo fato de ser super competitiva e também por saber que aquela bateria seriam 15 minutos mais uma volta; não tinha tempo para errar.

No grid de largada eu era a quinta, pelo tempo da melhor volta tomado no dia anterior.
Alinhamos, e em poucos segundos o Bob já flamulava a bandeira branca de largada.
Claro que eu e o meu nervosismo não conseguimos clipar o pé, e por alguns metros eu fui pedalando apenas com a perna esquerda, isso fez com que eu fosse muito ultrapassada logo na largada.

Assim que clipei, saí feito louca, sabia que teria que chegar no topo da subida bem colocada, porque depois o circuito afinava e seria difícil uma ultrapassagem. Não medi esforços e pronto lá estava eu no alto da subida em quarto. Atrás apenas das grandes campeãs Erika Gramiscelli, Roberta Stopa e Julyana Machado Rodrigues.

Fiz a minha primeira volta em 2.29 apenas 9 segundos atrás da campeã, foi a quarta melhor volta da bateria. Muito forte! Será que eu ia conseguir manter? Meu coração saía pela boca e mal conseguia respirar.

Volta completa, encarando o subidão novamente e atacada por Luana Machado, uma linda biker de 19 anos, que passou por mim ventando!
Lá se foi a quarta posição.

Dali até o final, a briga pela quinta posição animaria a galera que estava na torcida de plantão. Kátia Andrea e eu travamos uma batalha. E ficamos assim nas 4 voltas finais uma colada na outra, ela me passou e eu tentei buscar.

Mas com um sprint final ela terminou a prova um segundo na minha frente. Foi demais!
Nos abraçamos e comemoramos; a nossa disputa tinha sido um show a parte!
Agora era descansar e esperar a segunda prova!


2 comentários:

Kátia Andrea disse...

Aehhhhh, arrebentou na descrição da disputa mais eletrizante do Short Track. Suas impressões foram as mesmas que as minhas: adrenalina, muita especttiva, coração na boca. Esse é o mundo do MTB, aventura, superação e é claro as novas amizades que fazemos a cada corrida. Boa sorte nas proximas, sucesso

Beijos

floretrapo disse...

Aiiii.. Luli é isso ai, muita humildade e sempre feliz.

É... hoje acabo de assumir que sou competitiva. Nossa que alívio.

Parabéns a essa mulherada.

Dri Boccia
Flower People