domingo, 4 de dezembro de 2011

HAKA RACE - Um Primeiro Lugar com gosto amargo

Ultima etapa do Haka Race, a equipe Selva estava disputando o campeonato na categoria dupla mista. Nas duas etapas anteriores eu corri com o Caco, nossas duas vitórias consecutivas não eram suficientes para levar o caneco, ainda precisaríamos ganhar essa ultima etapa da equipe Lebreiros, que disputava conosco o circuito.
O Caco ainda não estava recuperado do mundial da Tasmânia, assim sendo eu deveria representar a dupla que ficou completa com o Rafa Niro.


Alinhados no pórtico do centro de Salesópolis brincando com os nossos rivais temporários, eu mal conseguia controlar a adrenalina que tomava conta do meu corpo, ouvia hino nacional totalmente abafado pela minha ansiedade.

Poucos quilômetros de bike, uma rua errada para sair da cidade já nos custou um sprint para recuperar as posições perdidas:

“Calma ainda temos muita prova pela frente”.

Rapidamente chegamos à área de transição PC1 e saímos para 3 quilômetros de corrida até o rapel. O objetivo era socar pelo menos até chegar nos verticais porque não poderíamos perder tempo com fila. A prova tinha ritmo de uma corrida de 5k e não de 50! Todas as equipes pareciam ter a mesma estratégia, ninguém queria ficar para trás.

PC2 - O Rafa já tinha largado vestido com a cadeirinha e me deixou muito feliz vê-lo descer tão rápido aquela pedra. Erámos a segunda equipe a completar o rapel, primeira mista.

“Bora que os caiaques estão logo ali.”


Entramos na água com algumas outras equipes que ainda não tinham feito o rapel (era possível optar por ele depois do Pc5) na água conseguimos manter nossa posição. Com 1.40 h de canoagem sair correndo de novo foi sofrido minhas pernas estavam atrofiadas.

A gente imaginava que na corrida as posições poderiam mudar. Dito e feito: depois de quase 10 k de corrida Vavá e a Talita alcançaram a gente numa encruzilhada e ambas equipes viraram para o lugar errado. Isso nos custou uns minutos a mais até voltar e pegar a estrada certa novamente.


“Será que os Lebreiros passaram?” a gente se perguntava enquanto via a dupla mista Aksa assumir a liderança.

PC6 – Depois de 1.40 h de corrida ininterrupta finalmente encontramos com nossas magrelas. A subida até o PC7 era com as bikes nas costas, uma escadaria com 200 degraus até o topo da barragem. Não tinha nem como empurrar a bike. Esforço no limite.
No meio da escada ultrapassamos a Talita e já lá no final da ascensão esbarramos com Vavá que descia para ajudar sua parceira. Assumimos a liderança de novo.

Todo o trecho final de bicicleta fizemos com a dupla masculina Guanacos, e deu pra ver de perto porque são a equipe do momento, além de fortes são muito bacanas.
Sempre com a dupla mista na nossa cola e a preocupação de tentar manter o ritmo.

Cruzamos o pórtico em 1º lugar na categoria e 3º lugar na geral, exaustos após uma prova super disputada. Três minutos depois Aksa a segunda dupla mista chegava, quinze minutos depois os Lebreiros cruzavam o pórtico.
...

Tudo muito bonito senão fosse um celular. Sim, um celular! Faltou no nosso kit de obrigatórios e a penalização foi 1h acrescida no nosso tempo.

Depois desse balde de água fria, minha cabeça não parava de rodar. Parte de mim entendia que “Regra é regra, se ela existe deve ser aplicada.” Mas a outra parte não conseguia parar de questionar:
“Uma hora de penalização numa corrida tão curta e rápida?”

“Por um celular? (que diga se de passagem nunca tem sinal no meio do mato)”

“Não era nenhum capacete, nenhum colete, nenhuma lanterna...”

“1 hora no Haka seriam 5 min no Camp? Porque essa diferença?”

Eu não queria nem assistir a premiação queria ir embora dali desconsolada, mas o fair play das equipes que ficaram em segundo e em terceiro lugar me fez sorrir de novo. Vavá, Talita, Fred e Lisandra disseram que também concordavam que a regra não tinha bom senso, que por eles a falta do celular poderia não interferir na classificação, mesmo que no final a regra tenha sido aplicada saímos de lá um pouco mais leves.

Deixo aqui meu pedido aós organizadores e assossiação: Será que não vale a pena revermos as regras, e não só isso, igualarmos a penalizações nos diferentes circuitos de aventura para que as regras sejam justas e iguais para todos?
...


Parabéns Aksa e Lebreiros, foi um prazer competir com vocês!
Valeu Rafa, nosso pódio não foi dessa vez....
Sorry Caco e Selva Kailash, juro que nunca mais deixo o celular pra trás!

Um comentário:

João Marinho disse...

Vocês ganharam, a penalização é relativa assim como o pódio. Vocês mostraram no terreno quem era mais forte! Animo!