quinta-feira, 3 de outubro de 2013

O Farol de pedestres da USP

Nas minhas corridas e meditações matinais (sim porque aprendi que para evitar o transito além da bike posso também ir correndo para o escritório) eu cruzo sempre a faixa de pedestre que sai da ponte cidade universitária e liga a entrada de pedestres do campus.

Paro sob o farol de pedestres que leva uma eternidade para mudar de cor, então encaro o motorista que vem apressado e estressado com o transito habitual da manhã. Uma senhora no volante percebendo minha encarada rapidamente aponta para cima como quem dissesse: “O farol está aberto para mim, ou você não percebeu.” Mesmo que o transito não a deixe andar enquanto o farol não fechar dificilmente motorista para. Às vezes a cara de “pidona” resolve. 

O interessante é que não muito tempo atrás o farol não existia ali, a faixa de pedestres reinava absoluta e com uma forte campanha da CET “De preferência a vida, respeite o pedestre” feita em 2011. Era possível atravessar a rua no momento em que chegasse às margens da faixa. Funcionava que era uma maravilha! Nem sei quanto tempo durou a campanha, mas surtiu efeito. Pelo menos até que fosse instalado o farol.

Fica nítido que o problema do motorista está na educação, porque não é só ele que se enxerga na preferência. A cidade, os projetos urbanísticos, o sistema prioriza os veículos automotores.

A interdição parcial da ciclovia por dois anos está gerando protestos dos ciclistas que usam a ciclovia como rota para ir trabalhar. O bloqueio ocorrerá para construção do monotrilho, e até agora tanto a CPTM quanto o metrô não apresentaram uma solução alternativa.  Assim São Paulo forma e educa novos motoristas; interditando rotas de bike, dando um nó no sistema viário, valorizando os automóveis.

A mobilidade continuará travada e enquanto o sistema for igual ao farol de pedestres da USP a prioridade será sempre a mesma: o carro.

2 comentários:

Anônimo disse...

O governo acaba de voltar atras...num fica nervosa !

Daniel Gonçalves disse...

Olá Luli Cox,

Sempre acompanho o seu blog e me divirto com sua aventuras. As viagens servem de experiência para aqueles que pretendem fazer coisa similar...

O meu blog sofreu algumas alterações, inclusive no nome, após 100 postagens, o "Fanáticos por Maratonas" dá lugar ao "Correndo Assim Mesmo!", que nasce para ser mais "amplo" e com a melhor definição do que superamos no dia-a-dia e, que apesar de tudo sempre estamos..."correndo assim mesmo"...

Um abraço,

Daniel Gonçalves
www.correndoassimmesmo.blogspot.com.br