sexta-feira, 10 de abril de 2015

O dia que o vento assoprou nossos planos! Midi Day 3

O dia estava mais que planejado remaríamos 15 quilômetros até o barco que havíamos reservado.


Saímos do hotel e chegamos no restaurante onde deixamos as pranchas ontem. Michel, o dono da pizzaria adotou a gente. Fez questão de levar nos de carro até a entrada do canal.


Enchemos nossas pranchas e entramos na água. Remamos 1,5 k. Não mais! Éolo estava endiabrado e soprava como nunca vi. Sabe aquele vento que para andar é preciso jogar o peso do corpo todo para frente? Imagina remar nessas condições. As rajadas de vento nos jogavam para as margens e quando remávamos rápido o máximo que conseguíamos era ficar no mesmo lugar. Ambas tentando sobreviver ajoelhadas na prancha nos agarrávamos aos arbustos da margem para não sermos mais arrastadas para trás. I M P O S S I V E L!

"O que fazer?"

Plano B - Desinflamos as pranchas e optamos pela portagem.

_ "Ah vamos andar até algum restaurante e lá esperamos o vento dar uma trégua." Andando arrastando os carrinhos pesados com todo nosso equipamento não chegaríamos muito longe.

De repente na margem do canal uma casa que alugava bicicleta, mas não era qualquer bicicleta, eram bikes calhambeques! Plano C.

_ "Nossa! Vamos aproveitar e levar nosso equipo para frente." Sem pensar muito no plano, mas nos divertindo absurdamente com a ideia, alugamos nosso novo meio de transporte; colocamos nossa bagagem na frente as pranchas e remos na capota e saímos pedalando.
Eram 15 quilômetros até o destino final.

_ "Já sei! Vamos de calhambeque até Le Dinee (um restaurante que estava quase 10 k adiante) almoçamos, deixamos nossa bagagem e embarcação lá, voltamos devolvemos a bike, vamos correndo novamente até o restaurante. Aí será depois das 5 da tarde, enchemos as pranchas e remamos os 6 k restantes até nosso hotel."

A ideia parecia maluca mas o Plano Y, como carinhosamente nomeamos, funcionou como idealizado.


A ida de bike até o restaurante contra o vento foi divertidíssima passando por ciclistas que riam.Uma bike que qualquer pessoa alugaria para uma brincadeira, nós usávamos como um tanque de ataque! Chegamos ao Le Dinee no horário do almoço. Restaurante localizado no Porto Lauragais, descolado e movimentado. Sentamos e comemos sem pressa.


Hora de voltar. Deu trabalho convencer a mulher do hotel liberar a gente deixar nossas coisas ali, mas com ajuda de um senhor que se sensibilizou foi mais fácil:
"Em quanto tempo vocês voltam?"
Depois que dissemos que em 3 horas estaríamos de volta ele nos prometeu uma bebida. São 18 quilômetros. Voltar pedalando a favor do vento e sem bagagem foi muito fácil, a bike andava que era uma maravilha, assim seguimos curtindo outro angulo do Canal du Midi.


Devolvemos a bike. Hora de correr. Encaixamos um trote ritmado e após duas horas de vai e volta estávamos no hotel para pegar nossas bagagens, com direito à Coca- Cola e um papo gostoso com nosso novo amigo.

Enchemos as pranchas e entramos na água as 6 da tarde. Foram sete quilômetros remados, duas horas e algumas boas rajadas de vento contra. A luz mágica de final do dia colorindo as paisagens incansáveis do Midi nos trouxe realização e paz.



Após um total de 18 km pedalados, 11 k corridos e 8 remados, o plano Y terminou magicamente no Kapadokya, o hotel barco mais lindo que vi.

2 comentários:

licacox disse...

Maravilha!!! Boa jornada meninas!!!

Adriana Dalman Boccia disse...

Nossaaaaa....que demais.
Olha o que estou perdendo, mas o importante é que vocês duas estão se divertindo muitoooooooooooooooooo.
Só de ler me sinto ai com vocês.
Fiquei só imaginando o que deram de risadas nessa bike...hahahahahahahha

Beijos
Ps. E dormir no barco, que top.